Notícias

Fique por dentro da Reforma da Previdência

Fique por dentro da Reforma da Previdência

Fique por dentro e entendam quais serão as Reformas da Previdência

A imprensa internacional está de olho na reforma previdenciária brasileira, que se tornou um tema de alto interesse por mexer com a maior economia sul-americana. Diferentes tons refletem o ambiente multifacetado do debate no Brasil. Há de tudo: quem defenda a reforma como essencial para o futuro da economia brasileira, quem veja o governo de Michel Temer perdendo a oportunidade de realizá-la antes do período eleitoral e, ainda, um moderado The New York Times criticando o governo porque, com medidas como o teto para gastos públicos, “poderia prejudicar os pobres nas próximas décadas, especialmente em áreas como a educação”. Fique por dentro da Reforma da Previdência.

Durante há algum tempo a Previdência vem observando um rombo crescente de gastos, esses gastos saltaram de 0,3% do PIB (Produto interno Bruto) em 1997, para 2,71 em 2017.

Foi comprovado que os brasileiros estão vivendo mais o que significa que os idosos estão em maior número, os jovens que estão sustentando o regime diminuirão. O governo tem como proposta fixar a idade mínima de 65 anos para requerer a aposentadoria e eleva o tempo mínimo de contribuição de 15 a 25 anos. Todos os trabalhadores ativos. Homens a partir de 50 anos e mulheres com 45 anos ou mais serão enquadrados em normas mais suaves, mas com tempo adicional para requerer o benefício. Aposentados e aqueles que completarem os requisitos para pedir o benefício até a aprovação da reforma não serão afetados. Todas essas mudanças dependeram da aprovação da reforma do congresso.

Reforma é caminho para salvar Previdência

Para aumentar o número de servidores, o governo federal passou a elevar de 60 anos para homem e 55 para mulheres para 65 anos para todos incluindo servidores de estados e municípios, seja ele do judiciário ou do legislativo. Para não prejudicar quem está próximo a se aposentar haverá uma regra de transição. Por ela, quem estiver com 50 anos ou mais (homens) e 45 anos ou mais (mulheres) poderá se aposentar pelas regras atuais, pagando pedágio de 50% sobre o tempo que faltava para a aposentadoria (se for um ano, por exemplo, terá de trabalhar um ano e meio).

Pressionando os trabalhadores, o governo pretende mexer no cálculo e fazer com que o trabalhador contribua por mais tempo e assim melhorar o valor a receber. O benefício será calculado com base em 51% de 80% das melhores contribuições mais um ponto percentual a cada ano pago. Para se aposentar com 100% do benefício, será preciso contribuir 49 anos. A fórmula 85/95 tem previsão de continuar até 2026, mas com a reforma vai acabar. Com a mudança, a aposentadoria exclusivamente por tempo de contribuição no setor privado vai acabar. Valerá a idade mínima de 65 anos mais um tempo mínimo de contribuição de 25 anos. O trabalhador deve acessar a calculadora para saber quando poderá parar de trabalhar sem que o fator previdenciário reduza o benefício na regra hoje em vigor.

Já existe idade mínima no setor público, que é de 60 anos (homem) e 55 anos (mulher), mais tempo mínimo de contribuição de 35 anos (homem) e 30 anos (mulher). A idade mínima também vai subir para 65 anos. O novo regime, porém, não será tão árduo.

A PEC (Proposta de Emenda Constitucional) obriga os estados a criarem fundos de previdência complementar para novos servidores, a exemplo do que fez a União. Com isso, os funcionários terão o benefício limitado ao teto do INSS, podendo receber um complemento se quiserem aderir ao fundo. Já criaram seus fundos, Rio, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo.

Diferença de regras entre homens e mulheres:

Hoje, as mulheres podem se aposentar antes dos homens, com cinco anos a menos. O governo pretende unificar em 65 anos a idade mínima para os dois sexos. A nova regra afeta mulheres com até 45 anos. Acima desta idade, valerá a regra de transição. Assim, a igualdade ocorrerá gradualmente, ao longo de 20 anos.

A PEC revoga aposentadoria especial de professores do ensino fundamental e médio (os de universidades já foram equiparados aos demais servidores) e policiais civis. Para servidores com menos de 50 anos (homem) e 45 anos (mulher), valerão as novas regras, com idade mínima de 65 anos. Quem estiver acima, entra na transição.

O governo recuou um dia após de anunciar a proposta de Reforma da Previdência Social, determinou que os bombeiros e policias militar, ficarão de fora das mudanças de aposentadorias do país. . As categorias, que poderão acumular benefícios como aposentadorias e pensões, serão tratadas num projeto à parte Militares das Forças Armadas.

Os militares ficarão de fora. A ideia é alterar as regras desses servidores em projeto à parte. O governo pretende elevar o tempo de serviço para pedir transferência para a reserva de 30 para 35 anos; aumentar a contribuição, hoje em 7,5%, para equiparar à dos funcionários públicos; e a idade limite para ficar na ativa deve acabar.

A pensão por morte, que é integral, deve ser reduzida para 50%, mais 10% por dependente, para todos os segurados (INSS e serviço público). A pensão deverá ser desvinculada do reajuste do salário mínimo, que permite ganhos reais. E pensões não poderão mais ser acumuladas.

Trabalhadores rurais são considerados segurados especiais podem se aposentar por idade (60 anos homens e 55, mulheres), bastando apenas comprovação da atividade no campo. O governo quer que esse segmento também passe a contribuir para o regime, com alíquota semelhante à do MEI, de 5%. A idade sobe para 65 anos.  Idosos ou deficientes de baixa renda têm direito a um benefício assistencial mesmo sem terem contribuído. A ideia é desvincular este benefício da política de reajuste do salário mínimo, que permite ganhos reais. Os benefícios seriam reajustados só pela inflação. A idade deve subir de 65 anos para 70 anos.

Gostou? Então compartilhe na sua rede social!

Elaine Rezende

Posts relacionados
Notícias

Prefeitura de São Paulo aprova anistia de 750 imóveis

Notícias

Pente Fino nas Aposentadorias do INSS

Notícias

Clientes da Caixa poderão quitar dívidas com desconto

Notícias

Projovem Campo 2019

Deixe seu Comentário

avatar